Search
Close this search box.

Combate ao câncer: nova droga elimina 100% dos casos testados

Pacientes submetidos ao tratamento experimental em subgrupo específico tinham câncer do reto em estágio localmente avançado

Combate ao câncer: nova droga elimina 100% dos casos testados
Foto: Reprodução 100 Fronteiras
Foto: Reprodução 100 Fronteiras

A publicação de um estudo no New England Journal of Medicine deixou a comunidade científica e pacientes com uma alta dose de esperança na luta contra o câncer. O uso do anticorpo monoclonal dostarlimab, já aprovado no Brasil pela Anvisa, eliminou o câncer do reto em 100% dos pacientes submetidos ao tratamento. Apesar de o teste ter envolvido apenas 14 pessoas de um subgrupo específico, o resultado é “inédito e surpreendente”.

A avaliação é da oncologista Anelisa Coutinho, da Clínica AMO, que acompanhou o evento anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO), ocorrido em Chicago (EUA), no mês de junho, quando o estudo foi apresentado e discutido por especialistas de diversos países. No final de junho, a oncologista foi convidada pela Sociedade Peruana de Oncologia para reapresentar o trabalho no Best of ASCO Peru, em Lima, no bloco dos tumores gastrointestinais.

Oncologiosta Anelisa Coutinho. | Foto: Divulgação Clínica AMO

Exceto os tumores de pele não melanoma, o câncer colorretal é o terceiro tipo mais comumente diagnosticado em homens e o segundo em mulheres, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, é o terceiro mais frequente de modo geral, segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), que estima 40,9 mil novos casos no ano, com 20,5 mil óbitos (2020-2022). Próstata e mama lideram a incidência no país, com 66 mil casos por ano cada.

“Quando se fala de câncer, a maior expectativa é ter medicações eficientes que possam promover a cura dos pacientes acometidos por essa doença. Apesar de ainda pequeno, o estudo é extremamente importante. Envolveu pacientes com adenocarcinoma do reto localmente avançado, portadores de uma alteração gênica específica”, comenta a médica, que é membro da ASCO e da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC).

A especialista explica que habitualmente o tratamento para câncer do reto localmente avançado envolve radioterapia, quimioterapia e cirurgia. “A ideia dos autores foi oferecer imunoterapia como tratamento inicial, avaliar a resposta após 6 meses e somente oferecer a forma padrão, caso não houvesse resposta ao tratamento experimental”, pontua a oncologista Anelisa Coutinho, comemorando que a grande notícia é que houve resposta clínica completa em todos os pacientes testados.

“Nos primeiros pacientes avaliados não havia qualquer evidência de tumor residual após o tratamento. O estudo continua em andamento e a expectativa dos autores é ter uma amostra com pelo menos 30 pacientes”, explica, destacando que o tempo de acompanhamento após tratamento ainda é curto (média de 6,8 meses) e os pacientes ainda continuam em observação.

Anuncie no PB Branco

Redução de efeitos colaterais

A médica diz que “sem dúvida esse já é um excelente resultado, que pode efetivamente modificar a maneira de tratar esse subgrupo especial de pacientes portadores de instabilidade de microssatélites, com elevada taxa de resposta, poupando-os de efeitos colaterais habitualmente relacionados com o tratamento padrão de radioterapia, quimioterapia e cirurgia”.

Na prática oncológica, já se recomenda a testagem de instabilidade de microssatélites para todos os pacientes portadores de câncer colorretal, o que favorece as escolhas de tratamentos, cada vez mais direcionados. “O teste é simples, largamente disponível em muitos laboratórios de patologia do Brasil e é realizado inicialmente no material de tecido da biópsia tumoral”, explica.

“A ciência evoluiu e aprendemos a individualizar os tratamentos, identificando o que melhor se adequa para cada paciente e considerando mutações específicas que possam ser alvejadas por drogas direcionadas a essas alterações”, sinaliza a oncologista Anelisa Coutinho.

Anuncie no PB Branco

Siga a gente no Insta | Face | TwitterYouTube | Whatsapp.

Acompanhe o Panorama da Bahia no Google Notícias e fique sempre bem informado.

Notou algum erro no texto acima? Por favor, nos informe clicando aqui.

Apoie o Panorama da Bahia com qualquer valor e ajude a manter a integridade da nossa linha editorial: pix@panoramadabahia.com.br

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

LEIA TAMBÉM

PUBLICIDADE

PODCAST

REDES SOCIAIS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

error: Conteúdo protegido.